Sivut kuvina
PDF
ePub

bem ridiculos á cerca de colonias imaginarias. Falavao de reunioens de artistas, de horteloens, de relojeiros, de transporte de ricos vestuarios, e até dos trastes mais preciosos do guarda-moveis. Tudo isto eraō tentativas para desviar a imaginação do publico do objecto verdadeiro; e hé ao mesmo motivo que devemos atribuir os protestos, as caricias, e as negativas que se prodigalisaram em Paris e S. Petersburgo. Foi somente no instante de começar, que o Duque de Bassano, partio de Paris sem dizer nada, e deixou o Principe Kourakin, cançado de esperar por uma audiencia que lhe havia' prometido, assim como os seos tardios passaportes; porque levaram o disfarce até aquelle ponto, muito de proposito para o entreter. plano do Imperador era doble entao como o havia sido com Hespanha. Por uma parte, queria chegar de repente ao exercito Russo para o esmagar por surpreza; e por outra, esperava fazer-se senhor da pessoa do Imperador Alexandre. Tinha tomado gosto em Hespanha á este modo de acabar com os Reys; e tudo quanto este methodo lhe havia custado ainda nao bastava para corrigi-lo: pelo contrario, esperava indemnizar-se na Russia do que a Hespanha lhe tinha custado. A' mim mesmo mo disse elle na Conferencia de Dresda.

0

O Imperador sahio de Paris a 9 de Maio. Eu parti no dia 10 com uma parte da Côrte. Ao chegar a Metz, no dia 11, M. de Vaublanc veio ter comnosco, e nos disse, que o Imperador, que se havia apeado no palacio da Prefeitura, passára o serao mui contente e The dicéra que hia restabelecer toda a Polonia. Notando porem que o Prefeito se admirava, continuou, dizendo:-"Toda a Polonia certamente, toda a Po lonia; deseseis milhoens de Polacos." Depois disto, fallou largamente, conforme o seo costume, dos seos successos e consequencias que deviaõ ter.

Cheguei a Dresda no dia 17 de Maio depois de uma viagem muito incomoda, como sao todas as que se fazem com a comitiva do Imperador, nas quaes homens e mulheres, de qualquer estado, condiçao ou idade, devem correr de dia e de noite como se fossem correios de gabinete. O Imperador tinha tomado o caminho da Franconia para não passar por Weimar, residencia

da irmam do Imperador Alexandre. O governo de Saxonia tinha mandado concertar á sua custa todas as estradas desde a fronteira, á travez das montanhas, até Dresda.

O Vós, que quereis ter uma idea exacta da prepotencia que Napoleaō exerceo sobre a Europa, se dezejaes calcular os grãos de susto que dominavao em quaze todos os Soberanos, transportai-vos em espirito a Dresda, e vinde contemplar este Principe soberbo no mais alto grao da sua gloria, tao proximo ao de sua degradaçao.

O Imperador ocupava o quarto principal do palacio; tinha levado comsigo uma grande porçao da sua Caza; dava meza publica; e a excepção do primeiro domingo, em que El Rey de Saxonia deo uma funcçao, era em Caza de Napoleaō que os Soberanos e parte de suas familias se reuniao por meio de convites por escripto, feitos pelo Gran Marechal (Mordomo-mor) do seo palacio. Alguns particulares erao admittidos a estas assembleas; e eu gozei desta honra no dia em que fui nomeado Embaxador para Varsovia.

Os Levers (Côrte pela manham) do Imperador erao, segundo seo costume, ás nove horas da manham. Era ali que se podia ver em que numero, e com que submissao temoroza uma chusma de Principes, confundidos entre os cortezaōs e apenas vistos por estes, esperava o momento de apparecer diante do novo arbitro dos seos destinos. Aquelle espetaculo renovava em mim toda a afflicçao que me cauzavao as audiencias diplomaticas, que tinha prezenceado. Era preciso ouvir as perguntas triviaes que o Imperador lhes fazia, e as respostas humildes que sobmissamente lhe tornavao. Foi em um desses Levers que eu ouvi sahir da boca de Napoleaõ essas palavras dignas de occupar o primeiro lugar nos fastos do orgulho.

O Imperador, chegando-se para o Principe de Neufchatel, dice lhe com aquelle surrizo sardonico, de que uza tantas vezes :-" E entao que temos?" Tratava-se de uma conversaçao que este Principe devia ter tido com o Conde de Metternich á cerca da troca da Galicia pelas provincias Illyricas. Eu ouvi Neufchatel, que respondia?" Elle poem difficuldades, e nao quer." Entao o Imperador com aquelle ar e tom que

VOL. XV.

T

sempre dao a conhecer nelle uma forte agitaçao de alma, pronunciou estas proprias palavras: Pobre homem, que quer diplomatizar comigo! . . . ." E depois, continuando com mil expressoens de desprezo, que The saõ familiares, se voltou para nós com um ar que nimguem poderá nunca exprimir, e dice:-" Hé uma bem grande prova da fraqueza do espirito humano o pensar de poder luctar comigo!" Nao, nunca palavras algumas me fizerao tanta impressao como estas; e nada as poderá riscar já mais da minha memoria! Nabucodenosor, o Soberbo, devia certamente ser um modelo de humildade á vista de um homem, imbebido em tao copioza dóze de amor proprio !

Na minha chegada a Dresda o Imperador se informou com muita attençao do estado da minha saude; e quando eu lhe disse que tinha resistido á fadiga da jornada, respondeo elle:-" Ora ahi tem as mentiras que se contao: hontem, no quarto da Imperatris, se dice, que vos tinhao posto dois vesicatorios no peito." Certifiquei-lhe que nao era assim, o que pareceo darThe muito gosto. Eu nao sabia a que houvesse de atribuir esta ternura tao desusada de Napoleaō. Bem suppunha que nao era o dezejo de cumprir com as observancias religiozas que tinha motivado a minha jornada nesta occasiao. Pensei mesmo, que o Imperador tinha suas vistas sobre o Clero de Polonia, e era a supposição que me parecia mais provavel; mas nem por sombras podia lembrar-me do papel para que estava destinado. Finalmente, no momento competente declarou-se comigo da maneira seguinte.

No domingo 24 de maio mandou-me chamar, acabada a missa, e de pois de me haver novamente fallado a respeito da minha saude, me communicou as vistas que tinha em mim, sem todavia se explicar claramente: foi só em caza do Duque de Bassano que eu sube o titulo e a natureza da minha missao.... Elle fallou só de mandar-me à Polonia, dizendo-me:-" Hide "trabalhar; eu vou experimentar-vos. Já bem deveis "saber que nao hé para dizer missa que vos mandei aqui vir. Hé preciso que vivaes em grande appaLizongeai as mulheres, que hé o essencial naquella terra. Jadeveis conhecer a Polonia, porque já lestes Rhulieres . . . . Dentro de quinze dias

"rato.

66

"

...

[ocr errors]

8

Eu vou bater os

" podeis ter cozinheiros "Russos

...

"6

o tempo passa. Hé preciso ter aca"bado para o fim de Setembro, e talvez que já tenha perdido tempo. Enfastio-me de estar aqui "há oito dias que estou fazendo de galan, e de pequeno "Narbonne a o pé da Imperatris d'Austria." Nać sei que aversaō elle tinha concebido contra aquella Princeza; mas hé certo que se explicou a seo respeito em termos que a decencia me nao deixa referir. Fazendo-lhe algumas perguntas sobre o modo como devia portar-me em Polonia a respeito das potencias que a dividiram e que erao agora suas alliadas, respondeome vagamente, porem sempre de sorte que mui bem me deixou perceber, que depois de acabar com a Russia saberia tambem acabar com a, Austria, obrigando-a a aceitar a Illyria ou a passar sem ella. Dice claramente, que nao sabia ainda a quem daria o reino de Polonia, restituido á sua primeira integridade. Quanto a Prussia, a sua sorte estava bem clara:-ser absoluta e completamente despojada da Silezia e da Prússia propriamente assim chamada. Napoleaō exprimia-se sempre a respeito desta potencia com o mais profundo desprezo,

Declarou-me entao que o Papa tinha chegado a Fontainebleau, acrescentando, que a apparicao de alguns vazos Inglezes na bahia de Savona tinha servido de pretexto para a sua tresladaçao. Depois continuou dizendo:" Vou a Moskow, e uma ou duas batalhas “faraō a festa. O Imperador Alexandre há de por-se "de joelhos; eu mando queimar Thoula, e ahi fica a "Russia desarmada. Já la me esperao: Moskow he o coraçao do Imperio: alem de que, eu hei de fazer a guerra com sangue Polaco. Quero deixar 50 mil "francezes em Polonia; fazer de Dantzik um Gibral"tar; dar 50 milhoens de subsidio annual aos Polacos porque elles pao tem dinheiro, e eu sou bastante"L mente rico para isso. Sem a Russia o sistema con"tinental hé uma tolice. A Hespanha custa-me bem

""

66

"6

caro; se nao fosse ella já eu estava senhor da Europa, "Quando isto acontecer, meo filho nao preciso mais

[ocr errors]

.

16

<<

que de saber conservar-se: para isso nao hé precisa grande esperteza. Hide fallar com Maret." Tal foi, palavra por palavra, a sua conversaçao; bem importante sem davida pelas poçoens que dá dos seos

planos. Elle adoçou tudo isto com alguns elogios á minha pessoa, do genero daquelles que mui bem sabe dar quando o seo interesse o exige, mas que nos momentos de colera com muito prazer torna a tomar : entao nao há para elle senaõ tôlos e patétas.

Napoleaō contava com o exito mais completo da sua empreza; e a dizer a verdade, esta confiança era geral em todos os que estavao perto delle, tanto nacionaes como estrangeiros. Toda a mocidade militar de Paris olhava para a expediçaõ da Russia como para uma grande partida de Caça de seis mezes. O exercito todo corria para esta empreza com a segurança de um resultado feliz, com os dezejos de adiantamento, e com a voracidade das dotaçoens. Todos queriaō ser da partida; e os que o nao erao queixavao-se da sua má estrela, ou da justiça do Imperador.

.M. de Pradt conta o desgosto que lhe cauzou esta sua nomeaçao; os obstaculos que teve para arranjar os preparos para ella; as difficuldades que achou em obter uma audiencia do Duque de Bassano; e depois

continua assim.

Nao quero deixar Dresda sem fallar de algumas outras observaçoens que fiz quando ali estava. Podiase applicar a estada de Napoleaō em Dresda o que Phædra dice de Hypolito:

"Même au pied des autels, que je faisais fumer,
"J'offrais tout à ce Dieu...."

Com effeito, Napoleaō era o Deos de Dresda, o Rey entre todos os Reys, que ali appareceram,-0 Rey dos Reys! Era sobre elle que se fixavao os olhos de todos; era em sua caza, e em torno delle, que se reuniao os Augustos hospedes, que habitavao o palacio d'El Rey de Saxonia. A afluencia dos militares, cortezaons, e estrangeiros; a chegada e partida dos correios que se cruzavao em todas as direcçoens; a multidaõ que concorria á porta do palacio, ao menor movimento do Imperador, correndo em chusma atraz delle com esse ar que inspirao a admiraçao e o pasmo; a expectaçao dos acontecimentos, pintada nas cáras de todos; a confiança de um lado, a anciedade de outro; este todo, variado e grande, apresentava o quadro mais vasto e mais delicado, co monumento mais brilhante da gran

« EdellinenJatka »